filhos

susana rodriguez iglesias - 24/02/2011

 

Hoje a velocidade, a rapidez tem um valor social, tudo tem que ser rápido.

 

Nesta corrida esperamos vínculos rápidos, amor instantâneo, soluções mágicas, e dentro de esta rapidez tentamos criar nossos filhos e formá-los.

O processo de desenvolvimento tem que ser rápido e cheio de informações.

Eles procuram informações rápidas, navegam pelo mundo na internet, fazem um trabalho com informações variadas em minutos, amigos instantâneos de pessoas totalmente desconhecidas, lanche rápido, comida fast food, e...................vínculos, relações afetivas, historias familiares, conhecimento adquirido pelos avos, pais, tios, onde fica ??

Nesta nossa corrida temos cada vez menos tempo para a família, os filhos, a conversa, o intercambio.

E necessário que os pais estejam presentes para os filhos, presentes não só fisicamente como também emocionalmente.

O que isso significa?

Precisamos de tempo, tempo relógio para estar com os nossos filhos e precisamos de tempo emocional, tempo para escutar, para conversar para intercambio. Nesse tempo é importante transmitir valores, dar carinho, compreensão, contensão, contar a historia familiar, os conhecimentos adquiridos com o passar da vida, os conhecimentos dos avos, dos tios, o aprendizado com as batalhas ganhadas e também claro, com as perdidas.

Precisamos de tempo para compartilhar experiências, medos, conquistas e sonhos.

As crianças, os adolescentes, precisam sonhar, e nós precisamos escutar seus sonhos e os deixareles sonhar, precisamos nos contagiar da alegria de sonhar juntos.

O desenvolvimento das nossas crianças é um processo que precisa de dedicação, de espera, de compromisso.

O tempo “perdido” investido na família, o tempo que não é produtivo no sentido comercial, é ganho, é tempo que investimos para ver os resultados em um homem o uma mulher, nossos filhos construindo suas vidas felizes, o dia da amanhã.